Resenha: Extraordinário.

Image

Oie! 🙂
Recentemente, após ler um um post no Cheirando Livros, eu estava decidida a pegar algum ‘clássico’ pra ler. Mas então, um amigo me indicou Extraordinário e, como eu já tinha o livro desde a Bienal, eu o escolhi. E com certeza não me arrependi. Ele se tornou meu livro preferido. Com certeza o mais fofo que eu já li.
Bom, Extraordinário conta a história do August Pullman, o Auggie, um garotinho de 10 anos que nasceu com o rosto deformado por causa de uma síndrome genética. Auggie foi educado em casa por sua mãe, porém sua família acha que já está na hora dele frequentar uma escola de verdade. É claro que a princípio o menino é totalmente contra essa ideia mas após refletir um pouco ele acaba se convencendo de que vai ser uma boa. Se ser um aluno novo numa escola grande já é difícil, nas condições do Auggie as coisas serão ainda piores. O começo do ano letivo é bastante turbulento mas aos poucos as coisas vão mudando e Auggie percebe que ir para a escola foi a melhor decisão que ele já tomou!

Sei que não sou um garoto de dez anos comum. Quer dizer, é claro que faço coisas comuns. Tomo sorvete. Ando de bicicleta. Jogo bola. Tenho um Xbox. Essas coisas me fazem ser comum. Por dentro. Mas sei que as crianças comuns não fazem outras crianças comuns saírem correndo e gritando do parquinho. Sei que outros não ficam encarando crianças comuns aonde quer que elas vão.”

Eu não li esse livro logo assim que comprei porque imaginei que fosse ser meio depressivo ou meloso demais pro meu gosto. Mas eu me surpreendi. É engraçado, bonito, te emociona e te faz querer ser um ser humano melhor (aquelas exageradas, hahah!). Ele é dividido em 8 partes e cada uma é narrada por um personagem e isso deixou as coisas mais emocionantes. Ver o ponto de vista de diferentes personagens sobre o mesmo evento. Uma das coisas que eu mais gostei é que o livro é cheio de referências a outros livros, filmes e músicas. E claro, os Preceitos do Sr. Browne, um professor do Auggie que sempre dava uma frase para que os alunos pudessem refletir e escrever sobre o assunto.

Minha mãe me abraçou mais apertado, se inclinou e deu um beijo no alto da minha cabeça. – Eu que agradeço, Auggie – respondeu ela. – Pelo quê? – Por tudo o que nos deu. Por entrar nas nossas vidas. Por ser você. Inclinou-se de novo e sussurrou em meu ouvido: – Você é mesmo extraordinário, Auggie. Você é extraordinário. ”

Resenha: Maze Runner – Correr ou Morrer

Oi, gente! Hoje eu venho com a resenha de Maze Runner. Muitos blogs que eu conheço já falaram desse livro e como eu só li coisa boa a respeito, eu fiquei muito curiosa. Eu já tinha o livro desde Agosto (comprei na Bienal *-*) mas sempre colocava outro livro na frente até que agora em Fevereiro eu finalmente tive a chance de lê-lo! \o/

Image

Bom, Maze Runner conta a história de Thomas, um adolescente que um dia acorda dentro de um elevador escuro sem saber pra onde está indo, quem o colocou lá dentro e o motivo. A única coisa de que se lembra é de seu próprio nome. Ao chegar ao seu destino, Thomas se depara com vários garotos o encarando. Ele descobre que o lugar onde se encontra se chama Clareira e todos os meninos que ali habitam são chamados de Clareanos. Todos os Clareanos, assim como ele, também só se lembram de seus nomes. Passado o choque inicial, Thomas é tomado por uma imensa curiosidade pela Clareira e principalmente pelo imenso labirinto que a cerca. Nesse labirinto, habitam criaturas horríveis metade monstros/vermes e metade robôs que são completamente letais. Após poucos dias desde a chegada de Thomas, coisas estranhas começam a acontecer e todas essas coisas parecem ter alguma ligação com Thomas. Até que um dia, algo mais estranho ainda acontece: a primeira menina é enviada á Clareira. Como se isso já não fosse estranho o suficiente, ela traz consigo uma mensagem de que tudo vai terminar. A partir daí, tudo começa a mudar e os Clareanos iniciam uma corrida pra salvar suas vidas.

Particularmente eu achei o começo do livro bem parado e por várias vezes me desanimei. Até que lá pelo capítulo 10 mais ou menos, as coisas ficaram mais empolgantes. Quando o livro começava a cair na rotina de novo, outra coisa empolgante acontecia. A segunda metade do livro é pura ação e não dá vontade de parar de ler! 🙂