Resenha: Gregor, o guerreiro da superfície

gregor_1280Assim como todo mundo (ou quase), me interessei por ‘Gregor’ depois de ler (e amar) Jogos Vorazes. Quis ler tudo que pudesse encontrar da Suzanne Collins e, um dia, o Submarino fez uma promoção e acabei comprando os dois primeiros volumes de cinco livros. Confesso que quando vi que no livro teriam baratas e aranhas gigantes, eu amarelei (haha) e fui adiando a leitura por meses, até que finalmente resolvi ler pra ir acabando com os livros encalhados na estante. E claro, não me arrependi! Mesmo tendo esses bichos nojentos, a leitura é tão divertida e os personagens tão bem escritos, que no fim, eu já tava até amando as baratas. Bem, vou explicar.
Gregor, o guerreiro da superfície (inspirado em Alice no País das Maravilhas), nos conta a história de um menino de 11 anos que vive com sua mãe e suas duas irmãs mais novas, Lizzie, de sete anos, e Boots, de dois, em Nova York. O pai das crianças sumiu há pouco mais de dois anos e, desde então, Gregor passou a ajudar em casa, assumindo algumas tarefas domésticas e cuidando de suas irmãzinhas. Um dia, o menino vai até a lavanderia de seu prédio com Boots e a menina acaba caindo no duto de ventilação, fazendo com que Gregor, na tentativa de salvar a criança, caia junto. Os irmãos caem por vários minutos e acabam chegando num lugar muito estranho e os primeiros seres que eles avistam, são baratas gigantes e falantes que, de cara, amam Boots que, sem nenhum preconceito, as trata como amigas. Gregor é levado aos humanos e sua rainha, e descobre que está em Regália, uma incrível cidade subterrânea. Os habitantes desse lugar acreditam que Gregor é um guerreiro citado numa antiga profecia. O menino tem inúmeros motivos para acreditar que todos estão errados, mas, por razões pessoais, acaba aceitando ser esse tal guerreiro e embarca numa incrível aventura, onde precisa lutar contra malignos ratos, tentar convencer aranhas gigantes a se aliarem aos humanos, tudo isso usando morcegos como meio de transporte e contando com a ajuda das amigáveis baratas.

O livro não é um dos melhores que já li, mas foi bem divertido, com personagens cativantes e aposto que as crianças vão adorar! E claro, pra todo mundo que gosta de Jogos Vorazes, vale a pena conhecer os primeiros livros da Suzanne.

Anúncios